Com certeza você já ouviu relatos de pessoas que tiveram prejuízo ao fazer consignação de carro em revendas de veículos. Histórias como essa infelizmente são comuns, o que não quer dizer que a consignação de carro não seja uma boa alternativa de venda. Muito pelo contrário: ela é uma prática recorrente e bastante atrativa, já que os ganhos podem ser muito bons.

Entre os benefícios da consignação está você não precisar se preocupar em negociar o seu veículo, tendo que mostrar o carro para uma fila de compradores e escapar de procedimentos burocráticos. Além disso, geralmente o valor ganho é bom e pode ser, inclusive, acima do valor que você receberia vendendo por conta própria. Sem falar, que ao vender para particulares, é difícil encontrar alguém com um carro que você queira pegar na troca ou disposto a pagar à vista. Outro ponto positivo da consignação, é que a loja fica responsável por garantia e qualquer eventual responsabilidade sobre o veículo. É algo simples e fácil: você deixa o carro na loja e a loja vende pra você.

A questão é que é preciso ficar atento a alguns detalhes fundamentais durante o processo de negociação para que tudo seja feito como o combinado, e ambas as partes saiam ganhando. Se você tem dúvidas sobre esse tipo de venda de veículos, não se preocupe. No post de hoje, nós preparamos uma lista com 5 coisas que devem ser observadas para que a consignação de carro não vire uma dor de cabeça no futuro. Acompanhe.

#1 A escolha da concessionária

Tudo começou com a busca pelo modelo ideal, que atendesse as suas necessidades e as do seu bolso. E aí, depois de escolhido, seu carro lhe acompanhou durante todo esse tempo, quebrou vários galhos e foi um verdadeiro companheiro de estrada, seja na cidade ou fora dela. Eis que chegou a hora de fechar o ciclo e passá-lo para frente. E eu lhe pergunto: você teria o mesmo cuidado lá do começo, mas agora na escolha de uma concessionária para deixar seu carro em consignação?

É aí que pode morar o perigo. Na consignação, apesar da venda do carro estar sob responsabilidade momentânea da concessionária, isso não significa que ele não seja mais um bem do proprietário. Pelo contrário: é ele quem responde pelo veículo. Portanto, é preciso, sim, ter cuidado na hora de escolher uma revenda para fazer a consignação de carro.

Para fazer uma avaliação mais precisa, você pode pedir a opinião de seus amigos e conhecidos que já tiveram alguma experiência com a empresa, além de consultar, pelo CNPJ, a situação da concessionária em relação a pendências com a Justiça ou com o Procon. Se estiver tudo certo, sinal verde para que você inicie as negociações.

Leia também: Pemavel é destaque imprensa como uma das empresas mais inovadoras

#2 Avalie as taxas de consignação

Outra questão importante na hora de fazer a consignação de carro é avaliar as taxas oferecidas pelo mercado. E aqui está um detalhe bem importante, e que pode determinar se você vai fazer um bom negócio, ou então ter um prejuízo inesperado.

São vários os ditados que cabem nessa situação, e você pode escolher o que melhor lhe parecer. “Quem tudo quer, nada tem”. “Quando a esmola é grande, o santo desconfia”. “Mais vale um passarinho na mão do que dois voando”. Por mais que haja uma diferença entre as taxas de consignação, e exatamente por isso se forme a concorrência, existe uma média praticada pelo mercado, que varia entre 3% a 5% sobre o valor do veículo.

Assim como em qualquer outra relação de compra e venda, quando as vantagens oferecidas por alguma concessionária saltam aos olhos e acabam cegando o senso de desconfiança do proprietário do veículo, as chances de ele se tornar vítima de um golpe aumentam.  Portanto, se você está pensando em fazer a consignação de carro, a dica de ouro é desconfiar de ofertas que mais parecem – e realmente acabam sendo – de mentira.

Ah, e vale a dica: tenha bom senso na hora de negociar, prestando atenção no estado do seu carro e oferta e procura por ele. Muitas vezes a concessionária precisará fazer reparos, que devem ser combinados antes.

Leia também: [INFOGRÁFICO] A realidade das estradas e as regras para caminhões no Brasil

#3 Faça um contrato de consignação de carro

consignação de carro

Apesar de ser uma prática ainda bastante presente no mercado, as negociações de boca devem ser evitadas ao máximo, principalmente quando se trata da compra e venda de veículos. Isso porque elas não têm valor jurídico nenhum, e não protegem nem a concessionária e muito menos o proprietário do veículo.

Portanto, para fazer a consignação de carro, não abra mão da elaboração de um contrato, combinado? Nele devem constar as características do veículo, informações sobre a vistoria com as especificações sobre equipamentos e quilometragem, as condições acordadas de negociação, como o percentual de comissão da concessionária referentes ao serviço de consignação, bem como os preços mínimos e máximos a serem oferecidos pelo carro.

#4 Fique atento à documentação disponibilizada para a concessionária  

Os especialistas do setor indicam que, para se precaver, os proprietários que fazem a consignação de carro devem disponibilizar para a concessionária apenas o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo, que dá permissão para que ele rode, caso seja necessário.

Isso porque o Certificado de Registro do Veículo permite a venda do mesmo, e só deve ser entregue ao lojista depois que toda a transação de venda do carro estiver concretizada.

Leia também: As 5 maiores reclamações sobre seminovos e porquê você pode estar enganado

#5 Após a venda, faça a transferência do veículo

Se você fez a consignação de carro e tudo ocorreu como o previsto, ou seja, a venda do mesmo foi concretizada, a última dica diz respeito à transferência do veículo. Uma vez vendido, ele deve ser transferido para o nome do novo proprietário. Regularizando a documentação, você evita que possíveis multas e outros ônus recaiam sob sua responsabilidade, mesmo que o carro já esteja com outra pessoa. Nunca é demais lembrar: o seguro morreu de velho.

A consignação de carro, como você pôde ver, não é um processo duvidoso ou pouco vantajoso para quem quer vender o seu veículo, porém, assim como qualquer outra negociação, é preciso se adiantar a possíveis problemas e ficar atento a alguns detalhes. Portanto, escolha uma concessionária idônea e que ofereça toda a segurança durante o processo para evitar dores de cabeça mais para frente.

Se você ficou com alguma dúvida, não deixe de escrever pra gente pelos comentários, ok? Até a próxima.

CONSIGNAR