O funcionamento de um carro é relativamente simples: o combustível queima para gerar energia, que passa pelo motor e é transformada em movimento, fazendo o carro andar. Só que, para esse processo funcionar, são necessários vários componentes e um dos principais deles é o sistema ignição.

Texto ilustrativo sobre o texto sistema de ignição

O sistema ignição é o responsável por criar a faísca que inicia a queima de combustível para o motor. Ele leva essa faísca até a câmara de combustão, gerando a energia que movimenta os pistões do motor e se transforma no movimento das rodas. Sua importância é tão grande que, sem ele, o carro simplesmente não dá partida. Se você quiser aprender um pouco mais sobre sistema ignição, continue e leitura e tire todas as suas dúvidas.

Como funciona sistema ignição eletrônica?

O sistema ignição eletrônica é composto por bateria, chave de ignição, bobina de ignição, distribuidor, cabos de ignição e vela de ignição. Para o carro funcionar, a bobina eleva a tensão da bateria até que, aplicada às velas de ignição, é gerada a faísca que queima a mistura ar-combustível dentro do cilindro do motor.

Nos veículos mais antigos, o sistema também era composto pelo platinado, peça responsável por interromper a corrente elétrica que vem da bobina, para garantir que as velas recebam a faísca no ponto correto. Atualmente, os automóveis saem de fábrica com o
sistema ignição eletrônica, cujas vantagens e funcionamento você entenderá a seguir.

Vantagens da ignição eletrônica

Imagem ilustrativa do texto sobre ignição

Primeiros modelos

Para entender o porquê de a ignição eletrônica ser considerada superior, é preciso saber como ela começou a ser utilizada. Os primeiros sistemas apareceram no Brasil no final da década de 70. Os modelos iniciais eram conhecidos como ignição assistida
eletronicamente.

Nela, o diferencial era a presença de um transistor de alta potência, que tinha como função estabelecer a corrente elétrica necessária para a produção da faísca de forma muito mais rápida. Isso fazia com que a corrente no platinado fosse reduzida e, dessa maneira, sua durabilidade se tornasse maior.

Diferenças entre os modelos

A principal diferença do sistema ignição eletrônica atual para o modelo antigo é que ele dispensa tanto o platinado quanto o condensador. Essas peças representavam problemas constantes, já que eram as maiores causadoras de desregulagem do sistema. Além disso, a ignição eletrônica proporciona uma potência maior da faísca quando o motor está em alta rotação, pois garante que a tensão da ignição seja constante. Ela também evita a desregulagem, mantendo o ponto de ignição sempre ajustado.

Quando se pensa em sistemas de ignição mais modernos, é importante lembrar que eles estão dentro da central de injeção eletrônica. Nesse caso, o instante exato em que acontece o disparo da bobina é feito seguindo os mapas de ignição, que fazem parte da central. Em tipos de sistema como esse, o distribuidor é substituído pela ignição estática, o que elimina
o desgaste e traz precisão no funcionamento.

Leia também: Filmes sobre carros: Os longas imperdíveis para quem é fã de veículos!

Por sinal, a injeção eletrônica foi um importante avanço na indústria automotiva e, assim como o sistema ignição eletrônica, trouxe melhorias significativas para o funcionamento dos veículos, bem como para o meio ambiente. Além de reduzir a poluição emitida fazendo a combinação exata entre combustível e ar nas faixas de rotação, a injeção eletrônica melhora o rendimento e o desempenho do automóvel.

Economia de combustível

Com preços cada vez mais altos, é inegável que uma das maiores preocupações dos proprietários de veículos seja a economia de combustível. Essa é mais uma vantagem que o sistema ignição eletrônica apresenta. Ele faz com que a queima do combustível seja mais completa e eficiente, ou seja, além de dar mais potência ao motor, ele também poupa o seu
bolso.

Além de utilizar o sistema de injeção eletrônica no seu veículo, outras ações podem fazer com que você tenha menos gastos com combustível. Uma boa medida é ficar atento a eventuais problemas que façam o consumo ser maior do que deveria, como rodas
desalinhadas que necessitam de alinhamento e balanceamento, pneus com a calibragem incorreta, filtro de combustível sujo ou entupido.

Acelerar de forma brusca e pisar demais no freio também são modos de queimar excessivamente o combustível. A dica é evitar pisar fundo, manter uma aceleração progressiva e, no lugar de acionar os freios em cima da hora da parada, deixar que o carro
desacelere aos poucos somente tirando o pé do acelerador, caso o espaço à frente permita.

Além de tudo isso, escolher um posto de confiança para abastecer seu veículo é essencial, assim você tem a garantia de que a procedência do combustível é boa e que ele renderá bem.

Como evitar defeitos no sistema ignição eletrônica

Imagem ilustrativa do texto sobre ignição

Apesar de ser mais eficiente e duradoura em relação ao sistema ignição comum, a ignição eletrônica está sujeita a eventuais defeitos, como qualquer outra peça. De qualquer forma, você pode tomar alguns cuidados para não ser surpreendido e evitar problemas com o seu automóvel.

Leia também: Carros Híbridos no Brasil: modelos a venda e o que esperar

Fique atento com alguns cuidados mais básicos, como nunca desconectar a bateria com o motor funcionando e, de forma alguma, inverter sua polaridade. Caso você precise realizar uma solda elétrica, desconecte a bateria com o motor desligado e retire a unidade de comando. Outro segredo para evitar problemas com a ignição eletrônica é estar sempre atento às velas e aos cabos de ignição, pois são peças fundamentais para o funcionamento correto do sistema como um todo.

Caso eles estejam com sua vida útil ultrapassada ou funcionando de forma irregular, por exemplo, podem dificultar a partida do automóvel, aumentar o consumo de combustível, causar aumento do nível de poluentes e até mesmo provocar falhas durante as retomadas.

Tanto os cabos quanto as velas de ignição são específicos de cada veículo. Por isso, caso seja necessário trocá-los, veja quais são os modelos apropriados no manual do proprietário de seu automóvel. Utilizar peças que não sejam as adequadas pode danificar outros
componentes do seu carro.

Se você gostou de saber um pouco mais sobre o sistema ignição e como prevenir futuros defeitos no seu carro, não deixe de compartilhar com seus amigos nas redes sociais. Continue com a gente para mais temas do mundo dos automóveis. Até mais!