Os faróis são itens obrigatórios para qualquer tipo de veículo e fundamentais para a segurança no trânsito. Além de permitirem a visualização em situações de pouca ou nenhuma luz natural, os faróis também são responsáveis pela visualização dos próprios veículos que transitam nas vias e estradas. Daí a obrigatoriedade de mantê-los acesos, por exemplo.

Presente nos meios de transporte desde as suas origens, os faróis evoluíram de artesanais lanternas a querosene ou a parafina até os mais modernos faróis a laser e as lanternas Oled (organic led), em que a camada de emissão eletroluminescente é um filme orgânico.

Apesar de fundamentais para a trafegabilidade, os faróis nem sempre recebem a atenção que merecem, sendo pouco lembrados na hora da manutenção. Daí a importância da revisão periódica do pleno funcionamento de todos os faróis, garantindo que não há nenhuma lâmpada queimada ou com defeito. Até porque é uma norma do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) trafegar com os faróis em dia.

Para o uso correto dos faróis é importante dominar as diferenças entre cada tipo e as aplicações corretas. A intensidade da luz e posição das lâmpadas são algumas das diferenças entre elas. Se o uso correto salva vidas, não usar os faróis ou usá-los de forma inapropriada prejudica o trânsito, coloca todos em risco e ainda pode gerar multas. Afinal, você conhece todos os tipos de faróis e quando usá-los?

Leia Mais: Saiba quais são os equipamentos obrigatórios dos veículos automotores no Brasil

Tipos de faróis veiculares

Imagem para ilustrar o texto sobre Saiba quais são os tipos de faróis e quando usá-los

Cada tipo de farol tem sua função, por isso estão instaladas em partes estratégicas do veículo não só como uma questão de design, mas também de segurança.

  • Faróis principais (ou convencionais)

São as principais fontes de iluminação dos veículos e proporcionam diversos níveis de intensidade da luz: farolete/lanterna ou luz de posição, farol baixo, farol alto, pisca-alerta e luz diurna. Esses faróis são equipados com uma lâmpada para cada função, ou seja, se houver problemas, basta trocar a lâmpada de farol específica.

  • Farolete/Lanterna ou Luz de Posição

Também conhecido como luz de posição, o farolete emite uma luz mais baixa para apenas delimitar a posição e o tamanho do veículo em uma via. O uso desses faróis é recomendado apenas durante o dia em duas situações. A primeira é quando o veículo estiver parado na via em local seguro para embarque e/ou desembarque de passageiros ou de carga. O segundo caso é em caso de chuva.

  • Farol Baixo

O objetivo principal do farol baixo é iluminar tudo que está à frente do automóvel. O facho das luzes é voltado para baixo para não ofuscar a visão de quem trafega no sentido contrário. Desde 2016, a Lei 13.290 (sancionada em 24 de maio daquele ano) obriga o uso de farol baixo em rodovias também durante o dia.

  • Farol Alto

O farol alto é aquele utilizado quando não há nenhum tipo de iluminação pública, como em uma rodovia. Para ser forte, utiliza-se de um feixe de luz com alcance aumentado, ou seja, uma lâmpada mais potente. Não deve ser usado na presença de outros condutores, pois pode ofuscar a visão.

  • Pisca Alerta

A legislação brasileira considera pisca alerta como luz intermitente do veículo, utilizada em caráter de advertência, destinada a indicar aos demais usuários da via que o veículo está imobilizado ou em situação de emergência. Em suma, são luzes vermelhas que ficam piscando dentro do farol convencional, ativadas somente em momentos de necessidade/atenção.

  • Luz Diurna/DRL (Daytime Running Lights, ou Luzes de Condução Diurna)

O DRL tem a função de melhorar significativamente a visibilidade do veículo sob iluminação natural. O objetivo não é auxiliar o motorista a visualizar a estrada, mas sim fazer com que o veículo se torne perceptível.
Depois de muita discussão, o Denatran autorizou o uso deste tipo de farol em substituição ao farol baixo nas estradas. Entretanto, por vias de dúvidas, é bom circular também com o farol baixo aceso nas rodovias.

  • Faróis de neblina

O conjunto de faróis de neblina é totalmente separado das outras luzes. Eles são posicionados de 20 a 30 centímetros de altura em relação ao solo, e ficam ligeiramente apontados para baixo. A intenção é iluminar a pista para o motorista, e não os obstáculos à frente do veículo. Ele é muito útil em situações de baixa visibilidade, como a presença de neblina, por isso o nome.

O uso do farol de neblina não é permitido em casos sem necessidade, como por exemplo, boas condições de clima, pois, por iluminar de baixo para cima, ofusca os motoristas que trafegam no sentido oposto. Além disso, transitar com essas luzes ligadas em substituição aos faróis de neblina também não é permitido. É necessário fazer a regulagem correta para não atrapalhar os motoristas que trafegam no sentido oposto.

  • Faróis de Milha

É um farol adicional, instalado entre os faróis principais e tem alcance de iluminação muito maior que os faróis originais, já que tem como função principal auxiliar a iluminação à longa distância à frente do carro. Devido a seu alto alcance e intensidade, os faróis devem estar de acordo com a Resolução 227/07 do Conselho Nacional de Trânsito, o Contran, que prevê que a cor dos faróis deve ser branca e sua utilização é permitida apenas com a utilização dos faróis principais de luz alta.

Geralmente é utilizado em veículos off-roads, carros de rally e caminhonetes. É válido ressaltar que o condutor deve utilizar o farol de milha apenas em casos de falta de iluminação, a fim de evitar acidentes de trânsito devido ao mau uso desse equipamento.

Leia Mais: Tire todas suas dúvidas sobre farol de milha

Imagem para ilustrar o texto sobre Saiba quais são os tipos de faróis e quando usá-los

Além dos faróis convencionais, são luzes obrigatórias nos veículos: a luz de freio, a luz indicadora de direção (famoso pisca-pisca), a luz de marcha ré e o farol de neblina.

Uma dica: o uso constante dos faróis em lugares expostos ao sol pode gerar o amarelamento do plástico exterior da lâmpada. Além disso, pode fragilizar o material e causar a queima do filamento. Para resolver esse problema, existe uma técnica chamada polimento de faróis, que tem como objetivo eliminar o “amarelado” e deixar o item com aspecto de novo.

Leia Mais: Check list veicular: veja o que você não pode negligenciar

Então é isso! Com essas informações acreditamos que você dirigirá com muito mais segurança para todos e a certeza de estar de acordo com todas as legislações! Continue acompanhando nossas novidades e curiosidades do universo automotivo. Até mais!